Compositor processa Gusttavo Lima por plágio e acusa cantor de encabeçar organização criminosa

Fábio Freitas acusa Gusttavo Lima de plagiar a música, ‘Saudade Sua’

Compositor processa Gusttavo Lima por plágio e acusa cantor de encabeçar organização criminosa
Gusttavo Lima (Foto: Reprodução)

O compositor Fábio Freitas, de Uberlândia, Minas Gerais, está processando o cantor Gusttavo Lima por plágio na música, Saudade Sua, lançada em maio de 2020. A música em questão já atingiu mais de 120 milhões de views, no YouTube, só que seria obra do compositor. Para o Splash, do UOL, Freitas relata que a história começou em 2018.

Neste respectivo ano, Freitas teria ofertado a música para Gusttavo Lima, mas o cantor contrapôs a proposta. Sendo assim, Lima quis pagar R$ 100 mil pela música, mas a proposta levou um tempo para ser aceita. Então Fábio Freitas aumentou o preço da música para R$ 200 mil e ainda ofereceu para uma dupla sertaneja desconhecida.

No entanto, Gusttavo Lima teria modificado partes da canção, só que deixado a história parecida, ou seja, caracterizando o plágio. De acordo com a reportagem, a ação foi protocolada na 9ª Vara Civil de Uberlândia e Fábio pede R$ 80 milhões. Os 80 milhões estariam divididos em duas ações, por danos morais e materiais. Ou seja, R$ 55 milhões por danos materiais e R$ 25 milhões por danos morais. Gusttavo Lima ainda não foi citado no processo e por isso não se pronunciou.

Mas o imbróglio vai além do processo já que o advogado entende que o cantor encabeça uma organização criminosa. Segundo Edson Feliciano, Gusttavo Lima tem comparsas que pegam as músicas para modificá-las.

“A gente move a ação por entender que ele é o responsável pelo plágio da música ‘Saudade Sua’. Esse cantor é o chefe de uma organização especializada em plágio, no qual ele é o cabeça e tem os seus comparsas que pegam obras de autores que lutam diariamente. Pegam as músicas, transformam e colocam em nome de terceiros”

Para a reportagem, Fábio Freitas explica que a música foi baseada em uma história que aconteceu com ele.

“Fiz a música em 2018, passei para ele como a música número um de um CD com cinco músicas em Uberlândia. Depois encontrei com ele em Uberaba e no dia 14 de julho no aeroporto de Iturama, entreguei um vídeo cantando a música e um cartão de memória com mais cinco músicas. Expliquei para ele que a música podia fazer sucesso, que a história tinha acontecido comigo”

Fábio jura que a música, Saudade Sua, foi composta por ele e que o cantor só modificou partes, mas não a história.

“Ele fez um inversão de palavras, se a pessoa prestar atenção vê que ele fez uma modificação na obra. A inversão de palavras dá a minha música todinha. A história é a mesma, o que ele tentou sair do plágio é na modificação das palavras, mas não tem jeito, a história é minha, a letra é minha”

O advogado de Freitas explica que o cantor Gusttavo Lima pegou a música e colocou no nome de outras pessoas. Lima teria modificado partes da música original para que não fosse notado o plágio.

“Essa música foi entregue nas mãos dele e a partir daí, ela foi plagiada, ele registrou em nomes de outros autores e estamos movendo uma ação para que ele se explique. Ele gravou sem a autorização do compositor e colocou nos nomes de outras pessoas, que um deles é parente do Gusttavo Lima. No momento estamos aguardando ele ser citado para que possamos discutir essa questão, juntamos algumas provas, é preciso que haja o depoimento do autor e réu”

Edson Feliciano ainda revela que irá mover uma ação criminal contra Gusttavo Lima porque entende que o cantor encabeça uma organização criminosa.

“A gente pretende mover uma ação criminal, porque entendemos que ele é o chefe de uma organização criminosa especializada em plágio. Ele se aproxima de autores, pega a música, modifica a letra, grava em nomes de terceiros com o intuito de descaracterizar o plágio e não ter que pagar outros autores”

Por fim, Fábio Freitas lamenta o fato dos compositores precisarem de dinheiro para serem reconhecidos. Ele afirma que tem o dom, mas não tem dinheiro para comprar um chinelo.

“A música sertaneja é uma panela, a dificuldade é você entrar ali. Se você não tiver um padrinho, é difícil. Sou uma pessoa pobre, não tenho dinheiro, fico na porta dos hotéis, as pessoas não te dão muita atenção pela roupa que você veste. Tenho a sabedoria que Deus dá, o sonho, mas por falta financeira de não ter condições nem para comprar um chinelo, as pessoas não te dão muita credibilidade”

De Lucca processa Gusttavo Lima

O cantor Gusttavo Lima não tem um minuto sequer de paz nessa quarentena. Embora esteja sem shows há mais de um ano, Gusttavo Lima vem lucrando horrores só que tendo problemas. O compositor De Lucca que o diga já que ele moveu dois processos contra o sertanejo. De acordo com o Balanço Geral, da Record TV, De Lucca processou novamente Gusttavo Lima por entender que o cantor descumpriu um acordo.

Sendo assim, Gusttavo Lima teria quebrado o acordo de gravar duas canções do compositor De Lucca. Nesse processo, movido no dia 10 de fevereiro, De Lucca pede uma indenização de R$ 10 milhões. Mas esse não é o primeiro processo que De Lucca move contra Gusttavo Lima.

Em 2020, veio à tona que o compositor estava processando Gusttavo Lima por roubar a música, Fora do Comum. Segundo De Lucca, Lima teria se apossado indevidamente de R$ 50% da música, sucesso em 2011. Além disso, De Lucca não teria conseguido registrar a música totalmente já que o cantor havia registrado a ‘sua parte’. Por conta disso, De Lucca entrou na justiça pedindo R$ 20 milhões de indenização, mas até o momento não obteve êxito.

  • Compositor processa Gusttavo Lima por plágio e acusa cantor de encabeçar organização criminosa
  • Compositor processa Gusttavo Lima por plágio e acusa cantor de encabeçar organização criminosa
  • Compositor processa Gusttavo Lima por plágio e acusa cantor de encabeçar organização criminosa
  • Compositor processa Gusttavo Lima por plágio e acusa cantor de encabeçar organização criminosa
Leonardo França

Leonardo França

Formado em Administração pela UFCG e especialista em Marketing Digital pela Unopar.