Rubens Valverde, pai de Isis Valverde, morre após sofrer infarto fulminante durante trilha de moto

Rubens Valverde chegou a ser socorrido para hospital em Baependi, mas não resistiu

Rubens Valverde, pai de Isis Valverde, morre após sofrer infarto fulminante durante trilha de moto
Isis Valverde e Rubens Valverde (Foto: Reprodução/Instagram)

Embora esteja vivendo um momento brilhante na carreira ao interpretar a personagem, Betina, na novela das 21h, ‘Amor de Mãe’, da TV Globo, a atriz Isis Valverde começa o ano de 2020 tendo que enfrentar um baque terrível na vida pessoal. Isso porque, neste domingo (12), Rubens Valverde, pai de Isis Valverde, morreu após sofrer um infarto fulminante durante uma trilha de moto com os amigos em Minas Gerias. De acordo com a assessoria de imprensa da atriz global, Rubens Valverde chegou a ser socorrido às pressas para um hospital localizado em Baependi, mas infelizmente não resistiu e veio a óbito deixando a esposa, Rosalba Nable, e a filha, Isis Valverde, que é mãe do pequeno, Rael, de 1 ano, fruto do relacionamento da global com André Resende. A assessoria de Isis Valverde não informou os detalhes do enterro e velório do pai da atriz, que certamente deve está devastada com a triste notícia da perda do familiar.

Vale destacar que a atriz Isis Valverde ainda não se pronunciou nas redes sociais sobre a morte inesperada do pai, Rubens Valverde, que morreu por volta de 16h30 após sofrer o infarto fatal. Por ser filha única, Isis Valverde tinha um relacionamento muito próximo com o pai, principalmente quando ainda era uma criança, no qual passou momentos inesquecíveis com Rubens Valverde, que emocionou a atriz ao relatar alguns deles durante o ‘Arquivo Confidencial’, no ‘Domingão do Faustão’, da TV globo, em 2011.

Assim, durante o quadro emocionante, Rubens Valverde afirmou que sente muitas saudades da época no qual imitava personagens animados para a filha, Isis Valverde, além de relembrar essa fase da vida toda vez que ver uma criança brincando com o pai.

“Eu chegava do trabalho, trabalhava o dia inteiro, das 7h até 6h da tarde, tinha que chegar, brincar com ela de Lobo Mau, Bicho Papão, virar um cachorrinho, ficar andando com ela pela casa, falando pra ela que o monstro ia pegar ela porque ela adorava essas brincadeiras. Ela vivia isso, uma fantasia muito grande, coisa que eu nunca esqueci. Você uma criança andando no cavalo, na praça, a gente fica lembrando dela. Essas coisas que me dar saudade, da época que ela era pequena porque foi a época que ela viveu comigo. Hoje, depois que ela fez 15 anos, ela foi embora e não voltou mais”

Leonardo França

Leonardo França

Formado em Administração pela UFCG e especialista em Marketing Digital pela Unopar.